o pós guerra dos relacionamentos

pos3

Algum dia vc via ele e seu coração acelerava, seu estômago fazia um free-fall de 25 metros, seu sangue gelava, e seu cérebro parava de funcionar. Mas hoje em dia, seu rolo acabou. Seja namoro, ficante, ou peguete (to considerando só os níveis elevados da Escala Grossmann), toda aquela mágica (principalmente em namoros) evaporou, e agora você está livre leve e solta pra uma nova vítima na balada.

Mas ok. E o de antes? Como ficou? Enquanto eu estava não trabalhando e conversando com a minha querida e ~péssima~ amiga jéssica, a gente pensava sobre as relações que sobraram dos nossos antigos exclusivos. Talvez nem só os exclusivos, pra fins de aumento da amostra.

Eu, serviço de utilidade pública que sou, estou postando aqui todas as categorias que classificamos em alguns minutos. E outras que eu pensei agora. E conselhos sobre o que você pode e não pode fazer em cada categoria.

Amiguinhos: Tá bom, então o relacionamento não deu certo (por qualquer motivo que seja), e bom, acabou. Mas vocês não se odeiam e ele ainda sabe o que anda acontecendo na sua vida. Seja ter uma promoção no emprego, conseguir um intercâmbio, passar naquela matéria que ele sempre tinha que estudar quando você queria ir no cinema. Não tem aquele drama toda vez que você fica com saudade de falar com ele, você pode simplesmente mandar uma mensagem falando ‘e ai, como vc ta?’ e quando voces se encontram não fica aquele silêncio constrangedor. Tipo a Robin e o Ted, que continuaram no mesmo grupo de amigos, e se vendo todo dia!

Pode: Praticamente tudo. Basicamente como você está falando com um amigo, não tem motivo pra se restringir. Claro, é sempre bom ficar dentro da zona de conforto, mas “intimidade é uma bosta” e amizade leva à intimidade, então pode considerar a zona de conforto bem grande.

Não Pode: Já falei, é amizade. o que vc não faria com um amigo é o que é válido aqui, e claro, DRs nunca são uma boa ideia. E recaídas também não.

pos4

Quase Nos matamos e Agora Somos Educados: Esse é o típico ex-casal que é obrigado a se ver constantemente. Mas a relação não era tão harmônica assim, e agora que terminou então, só a pura pressão social faz com que os dois se aguentem.

Pode: Dar um oi seco sem nenhuma simpatia! Afinal… As vezes aquele sorrisinho amigo simplesmente não sai

Não Pode: Exagerar na intimidade, vai ficar forçado ami!

Vai-e-Volta: O casal feliz que não consegue se superar. Já namoraram, acabaram, voltaram, se traíram, acabaram de novo, viraram peguetes, bla bla bla whiskas sache. Drama, drama, drama. Mas aí você acabou de vez, e jurou pela sua mãe mortinha que nunca mais ia olhar na cara do desgraçado sem cérebro que já te machucou tanto nessa vida.

Pode: Ser educada, SEMPRE! O tratamento de gelo é até legal por um tempo, mas dá pra perceber bem que você se importa com o dito cujo quando você ignora ele de propósito. E você tem que mostrar que é mais forte!

Não Pode: pegar de novo, né. Nem invadir o facebook dele, mudar as fotos de perfil e cobertura pra fotos que ele esteja feio e postar coisas zuadas como se fosse ele (já vi acontecer). E também, não pode pegar o amigo de vingancinha.

pos5

Somebody That I Used to Know: O segundo mais fácil. Você não vê ele, não fala com ele, na maioria das vezes nem lembra dele a menos que alguma coisa muito óbvia aconteça e aí vc pensa ‘nossa, o Fulano ia gostar de ver isso…. Como será que ele tá?’ É fácil porque você esquece dele e de tudo que aconteceu, principalmente se você sofreu. Você pode superar sem a presença dele constante no seu dia-a-dia. Mas é dificil na hora que vc quer contar pro Fulano que lembrou dele, mas aí, como vc vai puxar assunto depois de todos esses anos…?

Eu, particularmente, sou muito a favor de manter a amizade com todos, a menos que alguma cois muito ruim tenha acontecido (por exemplo, traição realmente não dá pra manter a amizade), mas sério, até hoje eu não consigo entender como você simplesmente elimina da sua vida alguém que foi tão importante pra você durante algum tempo.

Pelo direito do recalque

Gente, aproveitando essa onda de posts cheios de revolta *saudável* eu tenho mais uma coisa a dizer…

large

Quando algum relacionamento termina, ou alguma coisa lixo acontece na vida, você tem todo o direito de ficar mal, e usar todos os meios possíveis para superar o fato. Claro que é importante ser fiel ao seu jeito e personalidade! Eu, por exemplo, não gosto de ficar me lamentando, chorando, e presa em casa, então minha maneira de lidar com tudo isso vai ser diferente de alguém que prefere cair na fossa negra e profunda por um tempo até passar a primeira fase do luto…

Dito isso, eu sendo eu, certamente vou voltar pra minha antiga vida normal, e recuperar o tempo perdido do que eu tava me privando antes por algum motivo, pode ser dançar no palquinho e alguma balada como se não houvesse amanhã, curtir e comentar a foto dos seus amigos machos sem pudores, voltar a falar com os caras que me amam, ou que eu tenho alguma vontade secreta de pegar… coisas normais do dia a dia. E agora, o que você pode fazer fora tudo isso?

– Fuçar o face dele de vez em quando e pensar “noss, que merda hein”. Por mais legal que seja o post, a foto, a música, você pode xingar, e achar tudo aquilo um lixo. Faz bem pra alma!

– Falar mal dele pras suas amigas. AH GENTEEEE, quem não vai falar mal né? Por favor… Você passou tanto tempo falando de todas as fofurinhas e nheconheco dele, que agora você pode xingar aquela mania chata dele que você ignorava.

– Poostar música fossa nas redes sociais,  de vez em quando não da pra segurar também né?

– Sair e conhecer caras novos. Super funciona pra mim… tem gente que não consegue porque o beijo do ex… mimi, mas pra mim é uma das grandes soluções da vida, quem não gosta da parte engraçada do cara chegando em você e dizendo o quaaaanto você é linda e como ele te viu de longe porque você brilha muito? hahahahahahahahahah

– Dar bola pros caras que te adoram. Eles sempre vão te elogiar A LOT, e isso faz bem pro ego!

Todo recalque é bem vindo pra te trazer de volta a vida! Os meios não justificam os fins nesse caso, porque se tudo funcionar, você ta ótima beeem, e mais linda e sexy do que nunca, MUAAAAA.

Polêmica: Status de relacionamento

Status

Todos esperam a minha revolta, mas não, sem revolta!

Só vou falar um pouco desse assunto polêmico que todas as meninas e meninos, que pretendem se relacionar com alguém, vão passar em algum momento da  vida… situações delicadas, e que podem se estender por um período de tempo indeterminado.

O status de relacionamento. O diabinho, gerador de discórdia e expectativas.

Isso é coisa de relacionamento contemporâneo. No passado – sei tudo sobre isso, vivi muitas experiências nesse tempo – você gostava da menina, ela gostava de você, você roubava um beijo e ela era sua namorada! UAU! Praticidade mil… Talvez as pessoas terminassem mais também, para poderem trocar de parceiros, mas se você perguntar pros seus pais ou avós com certeza a rotatividade era menor, e eles certamente não entendem de onde veio o *pegar geral*.

Atualmente, de acordo com a Escala Grossmann, você tem que passar por diversos status pra chegar em algum que realmente faça sentido, você pega, fica, fica sério, e etc… e daiiii você namora. Esse processo pode levar um mês, dois, cinco, dez meses, um ano, dois, três e assim vai, e enquanto isso? Existem regras silenciosas que partem das expectativas de cada lado do casal para com o outro. Exclusividade, aberto, sexo casual, namoro não assumido, amizade colorida, complicação!

Eu não sou contra o meio termo, porque eu sou uma pessoa complicada e que vai arrastar o quanto der, como tudo na vida, por preguiça ou por incerteza. Agora, você ter incerteza é ok, até a hora que você pensa que a mesma dúvida existe do outro lado, ai você vai pirar, ficar louca, se sentir rejeitada e ir correndo pro horóscopo ver como vai ser o seu mês amoroso, só os astros na causa!

Não sei a que conclusão eu chego com isso, mas eu certamente já estou inclinada para a definição do status, só pra ter certeza que os dois lados querem e sentem a mesma coisa. *Pensamentos de laura comendo sushi califórnia “Feito pelo cu do sushi man”*